segunda-feira, 31 de março de 2014

RUMO AO ESTADO DE VIGILÂNCIA: Brasil investe US$ 8 milhões com drone israelense para Copa do Mundo

O governo brasileiro comprou de Israel um novo drone, como é chamado os veículos aéreos não tripulados, que deve chegar como parte dos esforços de segurança do país para a Copa do Mundo.

O Hermes 900, produzido pela empresa israelense Elbit Systems, foi adquirido por R$ 18 milhões (US$ 8 milhões). A aeronave desembarcará no país até o fim de maio. Em tempo para a competição esportiva, que começará dia 13 de junho.
Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), o drone vai ser empregado de maneira maciça na vigilância de áreas estratégicas durante os 30 dias que vão durar os jogos. Para isso, é bom que se diga, o novo equipamento já foi testado em diversas ocasiões e forças armadas pelo mundo, inclusive em campo de combate, como no apoio às tropas dos Estados Unidos, no Afeganistão.
Em Israel, o Hermes 900 dispõe de versões armadas, com capacidade de lançar ataques com mísseis de alta precisão, porém leves. Lá, a configuração da Aeronáutica leva carga eletrônica de 300 quilos.
Aqui, o sistema digital de bordo do drone vai empregar 10 diferentes câmeras, sensores e designadores laser. O alcance e a definição da captação dos dados de inteligência são tratados como informações sigilosas.
O que se sabe é que o Hermes 900 vai se integrar à frota atual de quatro RQ-450, também fabricados pela Elbit, estes, modelos menores que já foram designados para o patrulhamento nos estádios Mané Garrincha, em Brasília, e no Maracanã, no Rio de Janeiro. As aeronaves irão voar sobre e ao redor das estruturas, em uma faixa entre 2 mil e 5 mil metros de altitude.
Medindo 8,3 metros de comprimento, a envergadura das asas do novo drone é de 15 metros ele tem autonomia de voo de 36 horas, a 9 mil metros, cobrindo 250 km de área. O comando remoto é feito por um ou até dois pilotos, apoiados por seis técnicos.
Corre atrás. Apesar do investimento, não se pode falar que o equipamento chega ao Brasil aplaudido de pé por todos os que se envolvem no segmento de defesa local. Há nove anos o país trabalha para lançar seu primeiro drone equipado para reconhecimento, o projeto Falcão, que está nas mãos da empresa Avibrás, em São José dos Campos, interior de São Paulo.
Já foram gastos com o projeto mais de R$ 30 milhões. O produto, com 630 quilos e capacidade de voo contínua de 15 horas, voará a 180 quilômetros por hora, a quatro quilômetros e meio de altura e poderá carregar até 150 quilos de carga. Mas apesar de alguns testes com protótipos, o veículo ainda não saiu, efetivamente, do papel.
Aliás, o segmento de defesa no Brasil é um assunto delicado. Desde 2005 o país conta com um programa de governo nesse sentido, o Plano de Defesa Nacional, aprovado durante a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O programa prevê investimentos na ordem de R$ 124 bilhões, dinheiro a ser contratado aos poucos, com prazo final estipulado até o ano de 2047.
De lá para cá, o que se vê é uma tentativa do Brasil em reorganizar um parque industrial voltado para a defesa. Recentemente, conversei com um representante desse setor, Jairo Cândido, que é diretor do Departamento da Indústria de Defesa da Fiesp (Comdefesa) e presidente do Grupo Inbra, uma das principais empresas dessa área. Ele se disse animado quanto às perspectivas de médio e de longo prazos.
"O setor, por ter produzido muito pouco nos últimos 50 anos, para não dizer um século, efetivamente sofre de uma certa desorganização de competência. Mas agora o mercado é crescente. O Brasil fez quatro movimentos recentemente e esses movimentos já estão na casa dos R$ 40 bilhões. Então, efetivamente, estamos falando de outra dimensão, com ótimas perspectivas”, disse.
Outro que demonstrava animação é Sami Youssef Hassuani, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde), também presidente da Avibrás, a companhia que desenvolve o projeto do drone brasileiro para uso da força aérea local. Para ele, chama a atenção nessa programação do governo, além das cifras envolvidas, a recomendação de se incentivar na cadeia nacional. “É mais ou menos com o que acontece com os caças Gripen, da Saab, recentemente adquiridos. A proposta é sempre a transferência de tecnologia, o investimento para que a indústria nacional possa se organizar”, afirmou.
Bom, como é de praxe por aqui, vamos aguardar um pouco mais para verificar se, enfim, o governo brasileiro sustenta sua previsão de reaparelhamento das forças armadas com tecnologia genuinamente nacional.
 A opinião do autor pode não coincidir com a opinião da redação
FONTE:
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Faça seu comentário aqui ou deixe sua opinião.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

SUA LOCALIZAÇÃO, EM TEMPO REAL.

Blogger Themes

Total de visualizações de página

Seguidores deste canal

Arquivo Geral do Blog

Minha lista de Sites e Blogs Parceiros

Translate this page

Receba notícias em seu e-mail

Hora Certa

Elite Maldita

Subscribe here to get our newsletter in your inbox, it is safe and EASY!