domingo, 25 de outubro de 2015

Desastre na Venezuela: inflação de 200% e queda do PIB de 10%

FMI acredita que os preços se multiplicarão por oito em apenas dois anos .

Fila com produtos básicos em um supermercado de Caracas. / JORGE SILVA (REUTERS)

O Fundo Monetário internacional (FMI) apontou cifras para o desastre econômico da Venezuela. O Governo de Nicolás Maduro esconde as estatísticas dos cidadãos e deixou de publicar dados básicos. Mas o panorama exposto no informe publicado nesta terça-feira pelo FMI é o de uma economia em decomposição, com a inflação descontrolada e a atividade afundando em um ritmo comparável ao de países em guerra –uma crise que elevará o desemprego para níveis nunca vistos no país em décadas.

A queda do PIB prevista para este ano é de 10%, à qual se somará outro declínio, de 6%, em 2016, segundo os cálculos do FMI. É o pior desempenho de toda a América Latina e um dos piores do mundo, somente à frente do Iêmen, em pleno conflito bélico, da Serra Leoa, castigada pelo ebola, e da Guiné Equatorial. A queda é até mesmo maior do que a da Ucrânia, também abalada pela guerra.

A queda dos preços do petróleo golpeou duramente a economia, mas com muito mais força do que em qualquer outro país petrolífero por causa da desastrosa gestão econômica do Governo de Maduro. Levando em conta que o PIB caiu 4% em 2014, a economia venezuelana segue em vias de perder uma quinta parte em três anos. Isso significa retroceder em 2016 ao nível de atividade de 2006, ou seja, uma década perdida.

A redução da atividade terá grandes consequências para o mercado de trabalho. O FMI calcula que a taxa de desemprego passará de 8% em 2014 a 14% em 2015 e 18% em 2016, mais do dobro que o país latino-americano posicionado em seguida, a Colômbia, com 8,9%. Esse nível é o mais alto desde 2003, mas o FMI acredita que o desemprego continuará subindo nos anos seguintes até alcançar níveis não vistos em décadas.


Inflação descontrolada

Onde a Venezuela não tem comparação é na elevação descontrolada dos preços. O Banco Central da Venezuela deixou de publicar os dados de inflação este ano. O Governo de Maduro acreditou que poderia baixar a inflação estabelecendo controles de preços, mas a única coisa que conseguiu foi provocar um desabastecimento generalizado de produtos básicos, filas enormes nos supermercados que os vendem e um mercado negro que torna mais rentável em muitas ocasiões a revenda ou o contrabando de produtos sob intervenção do que o salário de trabalhos qualificados da economia formal.

O FMI prevê que a inflação se situe em 158,1% este ano e suba para 204,1% em 2016. Com isso, os preços terão se multiplicado quase por oito em um prazo de apenas dois anos. O bolívar venezuelano perdeu quase todo o seu valor desde que Maduro chegou ao poder. Enquanto no câmbio oficial a cotação é de um dólar para 6,3 bolívares, no mercado negro a verdinha é trocada por cerca de 800 bolívares (quase 4.000 reais). Ou seja, menos de uma centésima parte de seu valor declarado. Os poucos que conseguem que o Governo lhes venda dólares pela taxa oficial, normalmente pessoas próximas do regime, se tornam ricos na hora simplesmente pela diferença no câmbio.
Um bolívar afundado

Com essa taxa de câmbio paralela, a nota de maior valor, a de 100 bolívares, vale apenas cerca de 50 centavos de real. E há notas a partir de 2 bolívares, ou seja, o equivalente a menos de um centavo de real. Não dá para quase nada, a não ser no posto de combustível. Com esses 2 bolívares pode-se colocar mais de 20 litros de gasolina, pois o preço do combustível está congelado há anos, em meio à hiperinflação, o que faz com que, na prática, se transforme em gratuito.

Alguns comércios rejeitam as notas de baixo valor. Já as mais altas, as de 100 bolívares, costumam ficar escassas com frequência e não é possível consegui-las nem sequer nos bancos. O pagamento com cartão se torna imprescindível para não se ter de andar carregando enormes maços de dinheiro. O problema é que os salários nem de longe subiram o mesmo que os preços (ou da depreciação do bolívar), de modo que um profissional qualificado pode ter um ordenado que, pelo câmbio paralelo, equivalha a 20 ou 30 dólares mensais.

A Venezuela se transformou ao mesmo tempo no país mais caro e mais barato do mundo. É o mais barato segundo o índice Big Mac, elaborado pela The Economist, se forem calculados os preços não com o bolívar paralelo, mas com outro tipo de taxa de câmbio oficial, que fixa o valor do dólar em cerca de 200 bolívares, o chamado Simadi, que era para ser uma taxa de mercado, e se tornou também defasada. Mas é o país mais caro se a referência for a taxa de câmbio de 6,3 bolívares por dólar. E ainda há outras duas taxas de câmbio que podem ser usadas. Um estudo recente do banco de investimentos UBS sobre preços e salários em diversos países incluía Caracas entre as 72 cidades pesquisadas, mas acabou eliminando-a em razão das dificuldades para fazer um cálculo coerente.

O problema é que, na prática, a Venezuela se transformou no país mais caro para a imensa maioria de seus habitantes, cujos salários estão em bolívares e mal conservam seu poder aquisitivo, pois não há dados de inflação, e o mais barato para quem poupa em dólares, os consegue por vias legais ou chega ao país com eles. 

FONTE:
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Faça seu comentário aqui ou deixe sua opinião.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Sobre Mim

Minha foto
UMA PESSOA SINCERA, TEMENTE A DEUS E SERVO DE NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO. INTIMIDADE ALÉM DAS APARÊNCIAS!!!! APOIO OS SEGUINTES LINKS: (www.observandoanovaordem.blogspot.com/) (www.simceros.org/) CANAL OTANERY1, DO YOU TUBE.

Blogger Themes

Total de visualizações de página

Seguidores deste canal

Arquivo Geral do Blog

Minha lista de Sites e Blogs Parceiros

Translate this page

Receba notícias em seu e-mail

Hora Certa

Elite Maldita

Subscribe here to get our newsletter in your inbox, it is safe and EASY!

UOL AFILIADOS

LOMADEE.COM

LOMEDEE.COM